THIAGO SANTOS – Maestro e Diretor Artístico

Thiago Santos tem sido apontado como um dos mais promissores jovens regentes brasileiros da atualidade. Após atuar como maestro assistente da BBC Philharmonic e da Royal Liverpool Philharmonic, na Inglaterra (2014-2016), retornou ao Brasil e desde então tem dirigido regularmente diversas orquestras pelo país, dentre elas: a Sinfônica Nacional-UFF, Sinfônica da UFRJ, Sinfônica de Sergipe e Sinfônica Jovem de Goiás. Também trabalhou com a Filarmônica de Minas Gerais, Sinfônica de Porto Alegre e Sinfônica de São José dos Campos. Algumas das orquestras inglesas que dirigiu foram Manchester Camerata, Stockport Symphony e Nottingham Philharmonic. Ainda na Europa, regeu a Buhoslav Martinu Philhamonie (República Tcheca) e U Artist Festival Orchestra (Ucrânia). Em 2015, foi selecionado para reger os masterclasses orquestrais da Mahler Chamber Orchestra para jovens músicos. Como regente assistente, colaborou com maestros como Juanjo Mena, Vasily Petrenko, Sir Mark Elder, Vassily Sinaisky, Yan Pascal Tortelier, Andrew Manze e Ton Koopman. Estreou no Theatro Municipal do Rio de Janeiro em 2016 dirigindo a montagem da ópera Savitri, de Gustav Holst. Por duas temporadas (2017-2018), foi maestro titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal da Paraíba, sendo reconhecido por importante expansão artística do grupo e sua consolidação no cenário orquestral nacional. Venceu o “Concurso para Jovens Regentes” da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (2011). Foi o primeiro latino-americano contemplado com a bolsa de estudos Leverhulme Arts Scholar para o renomado programa de regência orquestral do Royal Northern College of Music, em Manchester (Inglaterra). Cursou bacharelado e mestrado em regência na UFRJ com André Cardoso. Outros mentores foram: Giancarlo Guerrero, Marin Alsop, Ernani Aguiar, Fábio Mechetti, Ronald Zollman, Donald Schleicher e Guillermo Scarabino.


ALEJANDRO ALDANA – Violino

Brasileiro-Argentino violinista Alejandro Aldana, atualmente é spalla da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo e professor  de violino do Instituto Baccarelli desde 2019.

De origem de uma família de músicos, Alejandro nasceu no Brasil e, aos 7 anos de idade, mudou-se para a Argentina. Iniciou os estudos musicais no Instituto Nacional Superior de Artes na Patagônia com os Professores Ljerko Spiller e Elvira Faseeva, onde obteve o título de Professor Nacional Superior de violino. Em 2007, ingressou na Hochschule für Musik und Darstellende Kunst de Frankfurt am Main para continuar estudando com o Prof. Walter Forchert, primeiro o Diplom e depois Konzertexamen/Solistenklasse.

Foi membro de diversos festivais internacionais: Verbier Festival Orchester, Schleswig Holstein Music Festival, Lucerne Academy Orchester. Foi selecionado para a New World Symphony Orchestra e foi Spalla da Youth Orchestra of Americas.

Como solista, já fez concertos com orquestras e música de camara, apresentando-se no Brasil, Argentina, Chile, Uruguay, Alemanha e Itália. Em 2018, fez seu debut na grande sala do Teatro Colon de Buenos Aires. Ainda, de forma paralela, atua como solista em concertos de música barroca, tocando violino barroco de época.

Foi vencedor de primeiros prêmios nos seguintes concursos internacionais: “El Sonido y el
Tiempo”, “Concorso Internazionale F. Zadra” e o “Northland Music Collaege” violin competition.

Foi Spalla da Orquestra Sinfônica Brasileira, Spalla associado convidado da Ópera de Frankfurt e da Museumsorchester e foi membro da Orquestra da Ópera de Stuttgart.

Em sua carreira, já trabalhou com os artistas: Martha Argerich, Frank Peter Zimmermann, Valery Gergiev, Herbert Bloomstedt, Iván Fischer, Manfred Honeck, Termikanov, Charles Dutoit, Daniel Harding, Pinchas Zuckerman, Pierre Boulez, Gustavo Dudamel, Seymon Bychkov, Tilson Thomas, Christoph Eschenbach, Jap van Zweeden, Christoph Dohnany, Eiji Oue, Penderecki e Kurt Masur, dentre outros.


MATTHEW THORPE – Violino

Violinista norte-americano Matthew Thorpe começou seus estudos musicais aos 5 anos com o piano. Recebeu um violino de presente dos seus pais aos 11 anos e a partir desse momento Matthew se dedicou integralmente ao novo instrumento. Estudou violino com Daniel Heifetz na Carnegie Mellon University em Pittsburgh, Pennsylvania. Já integrou as orquestras da Pittsburgh Opera e do Pittsburgh Ballet Theatre, liderou o naipe dos segundos violinos na Erie Philharmonic (Pennsylvania) e foi spalla de orquestras que se apresentaram no Kennedy Center (Washington, D.C.), na Carnegie Hall (New York), e da New World Symphony (Miami, Florida) sob a regência de Michael Tilson Thomas. Matthew também foi convidado para tocar como chefe de naipe na Orquestra Sinfônica da Galícia e na Orquestra Sinfônica de Tenerife, na Espanha. Em Pittsburgh, foi vencedor de vários concursos, incluindo o Westmoreland Young Artists Competition, o Klein Violin Competition e o Silberman Chamber Music Competition, apresentando-se em inúmeros recitais e como solista com orquestras da região. Participou também de masterclasses com Itzhak Perlman, Pinchas Zukerman, Joel Smirnoff, Janos Starker, William Preucil, Andrés Cárdenes e o Tokyo String Quartet. Matthew radicou-se no Brasil em 1998 para tocar na Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) e desde 2008, serve como concertino da mesma. Foi integrante do Sexteto de Cordas da OSESP, Quarteto Portinari, lecionou na Universidade Livre de Música (atual EMESP), e é integrante da Bachiana Filarmônica SESI-SP com Maestro João Carlos Martins. Atualmente Matthew é professor de violino no Instituto Baccarelli, e seus alunos hoje em dia integram as mais importantes orquestras do Brasil.


RENATO BANDEL – viola

Nascido em Piracicaba-SP, iniciou seus estudos de música aos seis anos de idade, com sua mãe. 

Aos 20 anos recebeu uma bolsa para estudar na Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim. Realizou concertos com a orquestra sob regência de Claudio Abbado, Daniel Barenboim, Seiji Ozawa, Günter Wand, Zubin Mehta, Bernard Haitink, Simon Rattle, Nikolaus Harnoncourt entre outros, em várias cidades europeias. Com esta orquestra, realizou diversas gravações de CDs e DVD. 

Estudou com Hartmud Rohde, na Universidade de Artes de Berlim e, após se formar com nota máxima, passou a integrar a classe de solistas.

Durante sua estada de sete anos em Berlim, integrou a “Ensemble Oriol Berlin”, realizando concertos na Alemanha, México, Portugal, com renomados solistas internacionais. Atuou como músico convidado na Orquestra Gulbekian de Lisboa/Portugal.

Recebeu o “Prêmio Carlos Gomes – Melhor Conjunto de Câmara” em 2006, como integrante do Quarteto Camargo Guarnieri. 

É professor de viola do Instituto Baccarelli (São Paulo), onde também atuou como coordenador pedagógico.

Coordenou as edições de 2009, 2010 e 2011 do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão. Atua como docente na USP de Ribeirão Preto e no Conservatório de Tatuí, onde coordena a área erudita desde 2019.


ANDRÉ MICHELETTI – Cello

Natural de Piracicaba, André Micheletti tem duplo doutorado pela Indiana University em violoncelo e violoncelo barroco sob a orientação de Helga Winold, Nigel North e Stanley Ritchie, tendo aulas particulares e master classes com Janos Starker. Foi bolsista da CAPES-Fulbright em seus doutorados. É mestre em Violoncelo e Pedagogia do violoncelo pela Northwestern University em Chicago, sob orientação de Hans Jörgen Jensen e Bacharel em violoncelo pela Unicamp, sob orientação de Antonio Lauro del Claro.

André Micheletti também foi concertino da Columbus Indiana Philharmonic Orchestra, concertinho da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo e primeiro violoncelo da Camerata Fukuda e da Orquestra de Câmara da Unesp.

Como solista, fez a primeira audição do concerto para violoncelo e orquestra de Edimundo Vilani Côrtes e apresentou-se frente à Orquestra Sinfônica de Heliópolis (Baccarelli), Orquestra Sinfônica de Campinas, Orquestra Sinfônica de Belém (Pará), Orquestra Experimental de Repertório, Camerata Fukuda, Orquestra de Câmera da Unesp, Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, North Shore Chamber Orchestra (EUA), Bach Gamut Ensemble (EUA), entre outras.

Atualmente, André Micheletti é professor de violoncelo no Instituto Baccarelli, na Faculdade Cantareira, na Escola Municipal de Música de São Paulo e no Conservatório de Tatuí. É coordenador pedagógico e professor do Instituto Fukuda. Em 2012, assumiu a presidência da Associação Amigos Mahle.


PEDRO GADELHA – contrabaixo

Natural do Recife, Pedro é contrabaixista principal da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) desde 2008. Completou sua pós-graduação na Universidade das Artes em Berlim, e aos 20 anos já iniciava uma intensa carreira orquestral que segue até hoje. Desde 1994 tem atuado como contrabaixista suplementar da Filarmônica de Berlim e como convidado das orquestras de Stuttgart, Frankfurt e Colônia. Pedro também ensina na Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP), Escola Municipal de Música de São Paulo e na Universidade de São Paulo, bem como em festivais como o de Campos do Jordão e Curitiba. Na Europa, atuou como professor da Orquestra Nacional Jovem da Espanha (JONDE), professor convidado da Universidade Internacional da Andaluzia, e ministrou masterclasses no Conservatório de Música de Paris (CNSM).



JOEL GISIGER

Joel Gisiger nasceu em São Paulo em 1968. Estudou com Benito Soares Sanchez, Washington Barella e Lothar Koch. Graduou-se na Faculdade Mozarteum, e recebeu uma bolsa para a Academia da Filarmônica de Berlin, onde estudou por dois anos. Atuou como primeiro oboé solista convidado da Orquestra do Theatro Municipal de São Paulo em 1996. Como solista, apresentou-se à frente de orquestras como Osesp, Teatro Municipal de São Paulo, Ribeirão Preto e outras. Ingressou na Osesp como primeiro oboé-solo em 1988. Desenvolve atividade pedagógica na EMESP, Instituto Baccarelli, Faculdades Cantareira, Conservatório de Tatuí e na Academia da Osesp.


LUIZ GARCIA – Trompa

Estudou no Conservatório de Tatuí, na Juilliard School e no New England Conservatory. Integrou o quinteto Empire Brass e participou como primeira trompa solista em apresentações, gravações e turnês das orquestras Filarmônica de Berlim, Sinfônica da Rádio da Baviera e Staatskapelle de Berlim. Integrou as sinfônicas Brasileira e do Teatro Municipal de São Paulo e foi professor na UniRio. É integrante da Osesp e leciona na Faculdade Cantareira.


LEONARDO GOROSITO – Percussão

Leonardo Gorosito, timpanista da Orquestra Sinfônica do Paraná, possui Bacharelado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), como aluno de John Boudler, Carlos Stasi e Eduardo Gianesella, e Mestrado em Percussão pela Yale University, sob a orientação do professor Robert Van Sice, onde também concluiu seu Diploma de Artista. Foi integrante da Orquestra Sinfônica do Espírito Santo, onde em abril de 2016 foi convidado a solar sua própria composição “Concertino para Percussão e Orquestra”. Fez parte da Yale Philharmonia Orchestra e do Grupo de Percussão da Yale Univesity, com os quais se apresentou no prestigiado palco do Carnegie Hall. Fez turnê pela África com a Banda Sinfônica da Yale e ministrou cursos de percussão brasileira na França. Voltou ao Brasil convidado a dirigir musicalmente os espetáculos “Amado”, “Húmus” e “Pai”, todos produzidos pelo Instituto Brincante, trabalhando ao lado do multiartista Antonio Nóbrega. Ao lado de Rafael Alberto compõe o DESVIO, duo de percussão que desenvolve a música de câmara brasileira através de seus concertos e composições autorais. DESVIO tem feito apresentações pelo Brasil e difundido seu trabalho nos Estados Unidos. Aprovou projetos no Edital CenaMúsica do Fundo Municipal de Cultura de Belo Horizonte e no Edital Música de Câmara na Capela Santa Maria do Fundo Municipal da Cultura de Curitiba. O duo estreou o espetáculo autoral Cancioneiro em 2013 e foi convidado à executá-lo em diversos festivais, com destaque ao 6º Festival Internacional de Percussão do Conservatório de Tatuí e à 9ª edição do Verão Arte Contemporânea. Do festival Circuito de Música Acústica, realizado em Minas Gerais, o duo saiu vencedor e teve como prêmio um show ao lado do renomado músico Hamilton de Holanda. Em novembro de 2016 DESVIO realizou um concerto com composições próprias ao lado da Orquestra Ouro Preto no Teatro SESC Palladium em Belo Horizonte, ocasião na qual o Concerto para dois Pandeiros e Cordas teve sua estreia mundial.